18 de janeiro de 2017

Capítulo da Semana #13 - Eles Precisam Morrer

Olá pessoal, como estão??? Espero que tod@s bem! Hoje vim trazer para vocês o primeiro capítulo do livro Eles Precisam Morrer. Vamos acompanhar!

Alicia, Clara e Amanda são três adolescentes que vivem em uma pequena cidade do interior e compartilham uma vida de tédio e poucas perspectivas de futuro.
Elas acreditam que os responsáveis pela vida ruim que levam são as pessoas com quem convivem e, aos poucos, a ideia de eliminar algumas pessoas vai amadurecendo até desencadear uma série de mortes e revelações, trazendo um esclarecimento sobre quem realmente é o responsável pela vida de cada uma.




Parte I
O Grande Dia

     - Você não tem coragem - Alicia disse.
     Clara estava tentando criar coragem para pular da ponte, fazia um esforço inútil para se concentrar na água barrenta do estreito rio que havia transbordado.
     - Você não tem coragem de pular - Alicia a ollhava com desprezo.
     Clara, incapaz de assumir sua fraqueza, continuava olhando fixamente para a correnteza do rio, tentando fazer com que sua vontade de se jogar dali superasse seu medo de pular da ponte.
     - Se eu pular daqui, essa correnteza vai me arrastar por quilomêtros, vão me encontrar bem longe - Clara disse. Estava prestes a desistir e sabia disso. Quando a ideia de realmente morrer lhe ocorria, as inúmeras possibilidades de dor e arrependimento invadiam sua cabeça.
     - Morrer deve ser doloroso - com os olhos marejados, Clara virou-se para Alicia. - Mas viver também é.
     Alicia teve como única reação fazer uma cara de nojo. Aquele discurso de Clara já tinha caído no comum, eram sempre as mesmas palavras, era sempre as mesmas frases.
     - Então se joga, não foi para isso que você veio aqui? - disse Alicia, irritada com a situação. Clara se manteve calada e virou-se novamente para a água do rio.
     O dia estava nublado e cinzento, era um dia especial para Alicia. Aquele céu escuro, sem vestígio algum de sol, lhe causava um estranho pressentimento de que nada ocorreria como havia planejado.
     Os dias em Fontana estavam úmidos, chuvosos e com uma atmosfera sombria no ar. Era como se o céu escuro, o vento gelado e incômodo, as chuvas que caíam quase todo fim de tarde e os inúmeros raios que rasgavam o céu, anunciassem uma grande tragédia.
     Alicia sentia o presságio negativo que pairava no ar, tentando se refugiar em uma positividade que nunca tivera. Às vezes, tinha a impressão de sentir a terra girando, era tomada por uma sensação tão grande de inércia que parecia poder perceber as mínimas coisas se movendo ao seu redor.
     Ela vinha de uma longa espera que estava por acabar, uma promessa feita a si mesma e que precisava cumprir. As possibilidades de conseguir êxito, que um dia haviam sido de 100%, estavam praticamente nulas. A descrença em seu plano de vida foi crescendo à medida que ela entrava em contato com a realidade.
     Alicia não era capaz de ter o que desejava. Queria algo com o qual não sabia lidar, ia ao encontro de seu desejo sentindo medo de conseguir. A grande impossibilidade a infurecia, mesmo que ela nada fizesse para que alguma coisa pudesse ser possível.
     Do outro lado da ponte, Amanda fumava seu cigarro barato, olhando para o horizonte onde o sol devia estar se pondo.
     "Acontece alguma coisa..."
     Alicia implorava em pensamento enquanto caminhava vagarosamente na direção de Amanda, mas o que acontecia era o de sempre, o tempo indo embora e ela ficando. Ohou para a estrada que se estendia depois da ponte, imaginando logo estar seguindo aquela direção, indo para longe daquele lugar. Era uma fantasia antiga que parecia impossível de se concretizar. Estranhava experimentar aquele sentimento justamente no tão aguardado dia em que ela colocaria em ação o grande plano de ir embora daquela cidade.
     Amanda olhava para o horizonte como se estivesse vendo alguma coisa além de uma grande massa cinzenta. Fumava seu cigarro quase no fim, concentrada em algo que somente ela podia ver. Alicia parou ao seu lado sem dizer nada.
     - O sol está se pondo agora - Amanda disse, com o olhar distante.
     - Não dá para ver nada.
     - Mas eu sei que ele está lá.
     Alicia ficou observando-a por alguns instantes. Amanda ficava muito distante de uma hora para outra, ia embora num piscar de olhos e só voltava quando queria. Alicia desejava ter esse dom também, ir para qualquer lugar dentro de sua cabeça, fora daquela cidade e longe daquelas pessoas. Mas até sua cabeça esta povoada por tudo aquilo que ela queria se livrar de qualquer maneira, estava impregnada por aquela cidade e por aquelas pessoas. Suspirou fundo e se livrou daquelas palavras que estavam deixando-a sufocada.
     - Eu não quero ir embora, eles devem estar me esperando. Por que fazem isso sempre?
     - Só estão tentando ser legais - Amanda disse, desviando seu ohar para a amiga. - Essa pode ser a última festa de aniversário que você recebe deles.
     - Essaa será a última. Agora eu posso ir embora - Alicia afirmou para si mesma. - Eu estive esperando por isso desde que cheguei aqui.
     Amanda ficou calada e voltou o olhar para onde o sol propavelmente estava se pondo.
     Alicia sentia tudo fora de seu controle, aquele dia tão esperado por ela não era parecido com o que ela havia imaginado durante anos. De certa forma, ela sabia que nada estava em suas mãos e que aquele dia em nada se diferenciava dos outros dias de sua vida, eles apenas aconteciam e ela tinha que lidar com o que viria.
     Ela olhou para o outro lado da ponte e então se sentiu melhor. A triste figura continuava lá. Clara, dezessete anos, obesidade mórbida, autoestima zero assim como seu estímulo de viver. A vida suícida de Clara já havia se tornado algo comum. Alicia caminhou na direção da amiga, por quem às vezes sentia pena, às vezes desprezo, às vezes os dois misturados como naquele momento.
     - Você não vai pular, não tem coragem - Alicia deu um leve tapa no ombro de Clara e virou-se para ir embora.
     Clara começou a chorar como fazia ao fim de todos os seus inúmeros fracassos.
     - Vamos embora, Clara. Você tem uma vida inteira pela frente para morrer - Amanda gritou do outro lado da pontee seguiu Alicia.
     Clara permaneceu parada, observando as amigas partirem lentamente, sentia que ninguém se importava com sua dor. Quando Alicia olhou para trás, Clara começou a se mover e seguiu com passos arrastados, como se quase não tivesse forças para levantar os pés do chão.
     Alicia não olhava para Clara, olhava para o outro lado da ponte, a rua que a levaria para longe daquela cidade que ela tanto detestava. A cidade para onde ela voltava. A cidade para onde ela sempre voltava. Do outro lado da ponte estava a direção contrária que ela queria seguir, a rua que a livraria de todo aquele inferno, a rua que estava esperando por ela há muito tempo.
***


E aí, gostaram??? Então adicionem o livro a sua estante no Skoob. Já leram esse livro??? Tem resenha dele no blog já. Quer indicar algum livro bom para aparecer aqui??? Deixem nos comentários, vou adorar responder a tod@s.

Bjoks da Gica.

17 de janeiro de 2017

Aviso #62 - Retrospectiva 2016

Olá pessoal, como estão? Espero que tod@s bem. Como já é de praxe todo começo de ano faço uma retrospectiva, que está mais para levantamento, para ver quais das minhas metas foram cumpridas e quais não foram. E sempre que isso acontece venho dividir com vocês aqui, porém já adianto que o ano de 2016 foi o ano que menos cumpri as minhas metas. Vamos a uma retrospectiva dos fatos então!


Dos doze livros que separei para ler no ano passado, consegui completar a leitura de apenas três. Os mesmos foram: O Checho de Anita; Perdido em Marte; Detalhe Final. Claro que eu li mais alguns, mas os que separei no começo do ano ficaram relegados a segundo plano. Estou começando a notar um padrão nisso! kkkkkk
Se quiserem acompanhar minhas leituras e dar uma olhada nos livros que li ano passado, alguns não tem resenha aqui no blog, é só me seguir no Skoob.


Dos autores nacionais selecionados li somente o livro Três Dedos de Morte. Esse eu fiz resenha dele aqui no blog. Porém não foi através do sorteio da TBRJar e sim quando estava na fila do médico, entediada, e achei esse e-book no kindle, então resolvi lê-lo para passar o tempo. Valeu esse produção??? 


Já começo dizendo que prometi fazer um post desses todos os meses do ano passado e só o fiz em janeiro. Por aí você já deve ter notado né! kkkkk Da lista de filmes consegui assistir, somente, ao O Último Caçador de Bruxas (100% recomendado, filme maravilhoso!). Já nas séries o único que consegui fazer foi terminar todas as temporadas de Hemlock Grove. Porém assisti umas quantas séries que não estavam na minha lista e logo, logo farei um post indicando algumas que amei!

Post dos Favoritos de 2016

Sinceramente não consegui escolher nem livros favoritos, nem filmes e, muito menos, séries esse ano que passou. 2016 foi um total desastre para mim!
Comecei o ano com um acidente de moto que me deixou sem caminhar por quase 5 meses, ao total foram 10 meses com mobilidade reduzida, ou seja, só aproveitei dois meses. Apesar do tempo sem fazer nada, minha vontade e concentração para leituras era zero, pois tinha muitas dores. Quando consegui um traumatologista e comecei as fisioterapias tive que correr atrás do tempo que havia perdido na faculdade, nesse período li um pouquinho mais e vi mais filmes e séries, uma maneira de desestressar. Porém veio o final do ano, evento na faculdade e eu estava na organização, provas, trabalhos e para fechar com "chave de ouro" greve! Além disso tudo, meu computador queimou três vezes: a tela, depois o HD e, após, a placa mãe (perda total). Não bastasse isso também consegui, não sei como, brikar meu celular. Haja bolso para pagar remédios, transporte, pc novo e celular novo.
Porém, mesmo com tudo isso, ainda sou agradecida, pois estou viva, bem, com a minha família, que tanto amo, e tenho minha casa. Não me falta comida, graças a Deus, e os bens materiais a gente corre atrás para repor. Desculpem por esse "pequeno" desabafo, mas é que precisava dar uma explicação para vocês do porquê andei bem sumida do blog.

Bom, 2017 começou, e este será um ano de grande exito, apesar de todas as turbulências com o país. Vamos tocar em frente, que este ano sonhos se concretizarão! :D :D Espero que tod@s tenham um ótimo ano, cheio de coisas boas e de várias realizações.

Bjoks da Gica.

16 de janeiro de 2017

Resenha #82 - Eles Precisam Morrer

A leitura desse livro foi possível graças a parceria entre a Mônica e o Blog. É nesses momentos que percebo o quanto o blog influência minha vida, pois sem ele, raramente, conheceria novos escritores nacionais. Vale muito a pena dar uma chance a literatura nacional. Eu estou fazendo minha parte e você?

Alicia, Clara e Amanda são três adolescentes, prestes a fazerem 18 anos, que são amigas desde que se conhecem por gente, afinal não há mais nada, nem ninguém para elas. Alicia sonha em ir embora da pequena cidade na qual vive com sua família, ainda mais depois do acidente que ocorreu com sua mãe. Ela só teve que esperar por 11 anos para que isso fosse possível.

Clara é uma menina com baixa autoestima, pois tem problemas com acne e também com sua obesidade mórbida, a qual ela diz ser culpa da separação de seus pais. Ela vive tentando suicídio, porém estes sempre dão errado e ela acaba sofrendo mais ainda. Já Amanda é a personagem que tem os desejos mais simples nesta história e mesmo assim foi a que mais me intrigou. Ela mora com a avó desde que foi abandonada por sua mãe, porém nunca teve amor e nem carinho e sim desprezo e muito trabalho para fazer. Quase uma Cinderela!

Os problemas dessas adolescentes não são seus sonhos frustrados, mas sim sua falta de capacidade de agir frente as adversidades e obstáculos que encontram. Alicia quer ir embora, mas não quer passar trabalho; Clara quer ser diferente, se livrar do "pirralho" do Vinicius, que a atormenta, mas só se entope de comida e foge de tudo; Amanda quer se ver livre da avó, mas não quer sair de casa. Então a única opção é que todos que atrapalham suas vidas morram, porém nesse caminho elas descobrirão quem é que realmente impede que suas vidas sigam em frente.

O final do livro realmente foi maravilhoso, pois, de certa forma, me surpreendeu. Apesar de o fim das personagens ser o que eu já esperava, me surpreendi com a revelação feita nas últimas páginas e também com o "como tudo aconteceu". Mudei totalmente meu ponto de vista durante a leitura, já que descobri que quem eu achava que era mentalmente desequilibrada, na verdade não era nada se comparado a quem estava por trás de tudo!

Monica escreve maravilhosamente, descreve os locais e os personagens de modo que você se sente na pele deles, vivendo suas angústias e vendo por seus olhos! O trabalho de edição e revisão do livro também está bem feito, as páginas amarelas e o bom espaçamento entre as linhas possibilitam que a leitura flua de tal maneira que você, praticamente, devora o livro.

Agradeço a autora pela oportunidade de ler sua obra e digo-lhe que já sou sua fã! Quanto a você, leitor(a) do blog dê uma chance a esse livro, tenho certeza de que não se arrependerá.


Bjoks da Gica.

15 de janeiro de 2017

Entrevista Com o Autor - Monica Dombroski

Olá pessoal, como estão??? Espero que todos bem. Hoje vim trazer para vocês a quinta entrevista com os autores parceiros. A de hoje é com a autora Monica Dombroski - Eles Precisam Morrer - publicada pela editora Chiado. Vamos conferir!!!

Como e quando você começou a escrever?

Eu escrevo desde criança, em casa sempre tive muitos livros, lia muitas histórias infantis e gostava de criar minhas próprias histórias. Escrevia e ilustrava como nos livros infantis que tinha em casa. No início, as histórias que escrevia eram semelhantes as que eu lia, contos com princesas, bruxas, sereias... Com o tempo, fui deixando a fantasia de lado e passei a escrever histórias baseadas no meu cotidiano, inspirada por filmes, músicas, coisas que ouvia ou fatos que presenciava. 

Teve apoio de alguém? Quem?

Na verdade, eu nunca busquei por apoio. Escrever sempre foi algo que me agrada fazer e o fazia sem buscar apoio ou aprovação. O maior apoio que recebi em casa foi a liberdade que sempre tive para fazer isso. 

Que autores você gosta de ler para se inspirar?

Eu não leio exatamente para me inspirar, embora os autores que eu admiro que inspirem bastante. Gosto dos autores da Beat Generation: Jack Kerouac, William Burroughs, Allen Gisnberg... Gosto muito de Charles Bukowski, John Fante, Susan E. Hinton, Patrícia Melo, Clara Averbuck, Louis-Ferdinand Céline, Ray Bradbury, Stephen King. Também gosto de autores clássicos que li na minha adolescência como Fiodor Dostoievski, William Faulkner, Franz Kafka... 

Como lhe ocorreu a escrita do seu livro? Fale um pouco sobre ele.

Eu escrevi quando tinha dezessete anos, a ideia veio quase que inteira, escrevi em alguns dias. Porém, precisava ser melhor trabalhada e com o tempo a história foi sofrendo algumas alterações, acrescentei personagens e modifiquei o desfecho. Essa história ficou guardada por muitos anos e quando me dispunha a trabalhar nela o fazia por alguns dias e voltava a escrever semanas ou meses depois. Foi um processo bem desorganizado. 
O livro se trata do descontentamento que as pessoas têm em relação as suas vidas. Por pior e mais trágica que seja, a maior responsabilidade sobre como as coisas nos afetam é nossa. Muita gente não compreende isso ou prefere depositar nos outros a responsabilidade pela própria infelicidade, como as personagens do meu livro, que acreditam que a morte das pessoas que elas consideram as responsáveis por tudo de ruim que acontece na vida delas fosse a solução de seus problemas. O livro se trata basicamente disso, pelo menos, minha proposta é essa, mas cada um pode interpretar uma obra da maneira que lhe convém. 

Você tinha em mente um tipo específico de leitor enquanto escrevia?

Eu apenas pensei em leitores que compartilham do mesmo gosto literário que eu. 

Você tem muitos projetos na cabeça? Quer falar sobre algum deles?

Eu tenho muitas coisas escritas, histórias inacabadas, rascunhadas. Escrevo desde pequena, então tenho muitas coisas guardadas. Meu objetivo é apenas continuar publicando, independente do retorno que tiver. 
Você muda detalhes e textos depois que o livro está pronto? Pede palpites de outras pessoas antes de publicar?

Com meu primeiro livro, mudei algumas coisas quando fui fazer a revisão, excluí algumas coisas e adicionei outras. Eu não costumo pedir palpites em relação ao enredo, acho algo muito pessoal. Nesse livro, eu pedi opinião em relação ao texto, a forma como a história foi escrita, se dava para compreender a narrativa. 

Você tem alguma dica para quem quer começar a escrever?

Acho importante escrever sobre o que você gosta, sobre assuntos que te interessam, sem se preocupar em agradar a todos. Não desista de nenhuma ideia por pensar que ela pode não ser bem aceita por outras pessoas.


Então pessoal o que acharam? Eu adorei! Obrigada pela participação e por ser parceira aqui do blog, Monica. :D <3 Não esqueçam de deixar seus comentários. Vou adorar responder a todos!

Bjoks da Gica.

14 de janeiro de 2017

Aviso #61 - Parceria Com a Autora Monica Dombroski

Parceria com Monica Dombroski, autora do livro Eles Precisam Morrer, publicado pela Editora Chiado.


Olá pessoal, como estão? Espero que todos bem. Hoje vim divulgar uma novidade, a mais nova parceira do blog: Monica Dombroski. Ela é uma autora nacional e entrou em contato comigo propondo uma parceria. Fiquei bem interessada com a sinopse do livro, então aceitei no ato. Vamos as apresentações!

O Livro:

Título: Eles Precisam Morrer

Autora: Monica Dombroski
Ano: 2016
N° de páginas: 302
Gênero: Ficção
Editora: Chiado

Sinopse:
Alicia, Clara e Amanda são três adolescentes que vivem em uma pequena cidade do interior e compartilham uma vida de tédio e poucas perspectivas de futuro.
Elas acreditam que os responsáveis pela vida ruim que levam são as pessoas com quem convivem e, aos poucos, a ideia de eliminar algumas pessoas vai amadurecendo até desencadear uma série de mortes e revelações, trazendo um esclarecimento sobre quem realmente é o responsável pela vida de cada uma.


A Autora:

Monica Gardes Dombroski nasceu em Cuiabá-MT, Brasil. Sempre gostou de escrever e desenhar. Na infância, produzia seus próprios livros com ilustrações e histórias em quadrinhos.


A ideia de publicar o que escrevia surgiu quando passou a se envolver mais com a literatura e conheceu autores que serviram de inspiração, como Charles Bukowski e, principalmente, Susan E. Hinton.



E então, já conheciam a autora? Conhecem o livro dela? Deixem seus comentários, vou adorar responder a todos!

Bjoks da Gica.

12 de novembro de 2016

Resenha #81 - Ultimate Sin (Pecado Final)

Resenha do livro Ultima Sin (Pecado Final) da autora Clarissa Wild

Resenha

Olá pessoal, como estão? Espero que todos bem! Hoje vim trazer para vocês uma resenha de um livro que amei ler, apesar de se um gênero que, confesso, tenho certo preconceito! Vamos lá então...

Resenha

Comecei a ler esse livro graças a Maryah do grupo Clube do Livro, formado no Telegram. Sempre que ela está lendo algo que é verdadeiramente legal, em sua percepção, posta trechos da história. Posso dizer que ela tem ótimas escolhas, pois seus trechos sempre me deixam morrendo de vontade de ler o livro que ela citou. Com esse não foi diferente e não me arrependo por isso.

Ava é uma mulher que foi vendida ainda quando criança, quando seus pais foram assassinados,  a um mercador de escravos. Ela foi treinada para seguir todas as regras, não responder, não reagir, ou seja, ela deve satisfazer todos os desejos de seu mestre, isso é mais que uma obrigação.

Resenha

Ava tem um mestre muito malvado e é muito castigada nas primeiras páginas. É quando surge na história o Marcus. Ele acaba comprando Ava e a leva para casa dele. Com isso o mesmo pretende ensinar Ava a ser um ser humano normal.

É muito interessante ver as descobertas de Ava, o amor que ela desenvolve por Marcus e como ele tenta de tudo para poder libertá-la. Porém ela continua o vendo como um mestre. Para mostrar lhe a vida normal, Marcus  traz para sua casa Daniel, outro escravo que foi comprado de outra pessoa.

Eu fiquei com uma pulga atrás da orelha, durante toda a leitura, com o Marcus. Achei ele muito bonzinho, porém seus pensamentos o denunciavam. Quando cheguei quase no final da história não acreditei no que aconteceu... nunca imaginei as cenas que decorreram e o final também me surpreendeu.

Em conclusão, apesar de ser um livro erótico, não é algo que fica preso só nisso. É uma história de amor, de libertação e, acima de tudo, de redenção! Leitura 100% recomendada. Dê uma chance para esse livro, tenho certeza que você vai se surpreender!
E aí, já leram esse livro? Já ouviram falar nele? Ficaram interessados? Espero o comentário de vocês!

Bjoks da Gica.

9 de novembro de 2016

Quotes #7 - O Demonologista

Quotes de O Demonologista do autor Andrew Pyper, publicado pela Darkside



Olá pessoal, como estão? Espero que todos bem. Apesar de não ter achado o livro O Demonologista tão terror assim, achei algumas quotes bem interessantes. Por isso estarei compartilhando aqui.


"A sensação de que tenho um companheiro invisível me seguindo diariamente, esperando por uma oportunidade, para conseguir um relacionamento mais próximo que aquele do qual já desfruta. " p. 30

"“Você não compreende. Não estou aqui para ouvir sua resposta, professor. Estou aqui para entregar um convite, é tudo.”" p. 77

"Somente quando decido voltar na direção (ou o que eu acredito ser a direção) de Rialto é que eu encontro. Pintado em tinta dourada, já um pouco descascada, em uma porta de madeira menor que todas as outras, está o número 3–6–2–7. " p. 162

"E então vejo a cadeira: cada perna aparafusada no chão de madeira com parafusos industriais. Tiras de couro rústico, do tipo usado em arreios de cavalo, envolvem o peito do homem, segurando-o no lugar." P. 183

"Tess. Tenho de voltar para ela. Assegurar-me de que ela está bem, então pegar o primeiro voo para Nova York — para qualquer lugar — esteja eu com malária ou coisa pior. Temos de partir." P. 184

"Papai não sabe que eu percebo o quanto ele está tentando. Os sorrisos “engraçadinhos”, o oba-oba sobre tudo o que vamos ver. Talvez ele esteja realmente animado. Mas ele ainda usa a Coroa Negra. Consigo vê-la hoje melhor que nunca. Parece até que ela está se mexendo. Como se houvesse algo vivo nela, fazendo um ninho. Rastejando. O problema com mamãe faz parte disso. Mas não é tudo. Há algo esperando por nós, e ele nem desconfia. A Coroa Negra está indo conosco. Ele a está usando, mas não sabe que está aqui (como ele pode NÃO saber que está aqui??). Talvez a coisa que está esperando do outro lado queira conhecer o papai também. Só sei que ela quer me conhecer." P. 252

"“Às vezes, os monstros são reais”, disse Tess, virando de lado e me deixando sozinho com a joaninha me encarando. “Mesmo se eles não se parecem com monstros.”" p. 368

"Se eu não encontrá-la antes, minha filha morrerá às 6h51min48s da noite do dia 3 de maio. Daqui a seis dias" p. 398

Demonologista

Leia a resenha de O Demonologista!


E aí o que acharam das quotes de O Demonologista que separei? Espero os seus comentários e sugestões.

Bjoks da Gica.