22 de maio de 2014

Resenha #2 - A Hospedeira


Autor: Stephenie Meyer
Páginas: 557
Editora: Intrínseca

Sinopse: Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "Alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vividas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.

A autora mal terminou de escrever a saga crepúsculo e já caiu matando com uma nova trilogia. Apesar disso não se deixe enganar, pois a história é totalmente diferente do vampirinho que brilha (nada contra as fãs de crepúsculo, mas aquilo ficou uma droga!). A personagem principal é uma alienígena que ocupa o corpo de Melanie. As duas tem uma personalidade muito diferente uma da outra.
Enquanto Melanie é brava e brigona, Peregrina é calma e conciliadora. Mas uma coisa elas tem em comum: o amor pelo mesmo homem - Jared! As "almas" são pacíficas e só invadem a terra por causa do que o ser humano faz com ela e com sua própria existência.
Porém, existem humanos que não aceitam isso (quem aceitaria não é mesmo?) e formam uma colônia escondida nas montanhas. Graças ao amor que as duas compartilham por esse homem, e pelo irmão de Melanie, é que Peregrina decide largar tudo e ir atrás deles. A história vale muito a pena e ao final fica aquele gosto de quero mais. Mas infelizmente ainda não se tem previsão para o lançamento do segundo e terceiro livro da série. Que venham de uma vez, por favor!!!

Quotes:

"Esta mente usava mais as minhas faculdades que qualquer hospedeiro anterior, deixando-me somente 181 conexões de reserva. Talvez as numerosas ligações fossem a razão de as emoções serem tão intensas." P. 21.

"Passei muito tempo observando a sua espécie. Sempre esperando vocês mudarem, sabem como é, quando não agissem mais como nós, por não haver mais ninguém para quem representar. Continuava observando e esperando, mas vocês apenas permaneciam agindo como humanos. Ficando com a família de seus corpos, saindo para fazer piquenique quando o tempo estava bom, cultivando flores, pintando quadros e tudo mais. Eu me perguntei se vocês não estariam se tornando meio humanos. Se não temos alguma influência, afinal." P. 167.

"Não é o rosto, mas a expressão nele. Não é a voz, mas o que você diz. Não é como o seu corpo se parece, mas as coisas que você faz com ele. Você é linda." P. 301.

Nenhum comentário:

Postar um comentário