18 de julho de 2014

Resenha #19 - Cidade dos Ossos - Instrumentos Mortais vol. 1


Autora: Cassandra Clare
Páginas: 462
Editora: Galera Record

Sinopse: Um mundo oculto está prestes a ser revelado... Quando a jovem Clary decide ir para Nova York se divertir numa discoteca, ela nuca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras. Clary sabe que deve chamar a polícia, mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece no ar e os assassinos são invisíveis para todos, menos para ela. Tão surpresa quanto assustada, Clary aceita ouvir o que os jovens têm a dizer... Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios, os Caçadores das Sombras têm uma missão em nosso mundo, e Clary pode já estar mais envolvida na história do que gostaria.

Cidade dos Ossos, antes mesmo do lançamento do filme, já havia virado um livro muito comentado no meio virtual. Alguns simplesmente amaram, outros odiaram e eu fiquei com vontade de tirar minhas próprias conclusões.
Clary é uma mundana, pelo menos é que todos acham. Vive feliz com sua mãe, o "tio" Luke e seu melhor amigo Simon. Até o dia em que ela vai a uma boate chamada Pandemônio e presencia um assassinato. A partir daí ela começa a descobrir que ninguém é o que realmente diz ser.
Após esses acontecimentos, Clary descobre que pode ver um mundo invisível aos olhos dos outros humanos, sua mãe é sequestrada, Luke lhe vira as costas e, ainda por cima, existem demônios querendo matá-la.
Em meio a isso ela conhece Hodge (o típico personagem que você acha que é o mais bonzinho da história, mas conforme ela vai se desenrolando você vê que não é bem assim), Jace (Caçador de Sombras misterioso, charmoso e tudo de bom!), Isabelle (totalmente irritante, aquele tipo de garota que se acha a última bolacha do pacote) e Alec (Irmão de Isabelle, mas totalmente diferente dela. Ele é meigo e sempre preocupado com seus amigos). Eles passam a ser sua nova família, pois todos moram no Instituto.
Agora Clary precisa encontrar o Cálice Mortal, um dos Instrumentos Mortais, para tentar trocar pela sua mãe. Ela vai contar com a ajuda de Jace, sobre tudo. Mas será que todos são quem realmente aparentam ser no Instituto? Ou aqui eles também foram corrompidos?
O livro, em si, é simplesmente lindo. A capa está magnífica, as letras com bom espaçamento e tamanho bom. Encontrei alguns erros de digitação, mas nada que atrapalhe a leitura.
A história começou com nota quatro, mas conforme os personagens foram ganhando forma e se aprofundando, ela começou a ganhar cinco estrelas. Se eu pudesse tinha dado mil estrelinhas! Adorei o momento de romance no livro, mas não acredito que a autora tenha dado esse rumo aos personagens. Acho que isso era algo para ser mudado no segundo livro, mas só lendo para saber.


Quotes:

" - Uma garota mundana - disse ele, um pouco para si mesmo. - E ela consegue nos ver." P. 23;

" - Não pare por aí. Suponho que também existam vampiros, lobisomens e zumbis...
- É claro que existem - informou Jace." P. 52;

" - Ele não é nem um pouco mentiroso. Não sobre coisas importantes. Ele conta verdades terríveis, mas não mente." P. 152;

"Ela imaginou quais lembranças teria perdido, quais experiências teria vivido e não conseguiu lembrar." P. 194;

"Jace continuou segurando a mão dela, enviando pequenas correntes elétricas pelas veias e por todos os lugares onde tocava: os dedos, o pulso, a palma da mão." P. 304;

"Sou Abbadon. Sou o Demônio do Abismo. [...] Sou tão diferente daquelas coisas chorosas que vocês chamam de demônios quanto uma águia de uma mosca." P. 339;

"Valentim era obcecado pela ideia de que a cada geração havia menos caçadores de Sombras." P. 374.

Nenhum comentário:

Postar um comentário