24 de novembro de 2014

Resenha #36 - O Menino do Pijama Listrado

Olá pessoal, como estão? Eu estou me reorganizando novamente. Essa última semana foi muito corrida. Tive vários trabalhos e provas para fazer, mas aos poucos vou voltando a rotina. Hoje vim trazer para vocês a resenha do último livro que li: O Menino do Pijama Listrado, Espero que gostem e não esqueçam de deixar o seu comentário.


Autor: John Boyne
Páginas: 186
Editora: Cia. Das Letras

Sinopse: Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

"Todo dia Bruno perguntava a Shmuel se podia rastejar por sob o arame para que pudessem brincar juntos do outro lado da cerca, e todo dia Shmuel respondia que não, que não era uma boa ideia!" P. 132 

Havia trocado esse livro no Skoob há muito tempo e estava encalhado na minha estante. No primeiro sorteio, de dois, na TBRJar, desse mês, o sortudo foi ele.

"Só era capaz de dizer que seu pai era um homem para ser observado e que o Fúria tinha grandes planos para ele. Ah, e que ele também tinha um uniforme fantástico!" P. 12

Bruno é um garoto de nove anos que mora em Berlim com sua mãe, sua irmã (um caso perdido) e seu pai (comandante). Um dia o Führer vem jantar com eles e tudo muda. Seu pai é transferido para o Campo de Haja-Vista na Polônia. Lá a casa é muito diferente e não há amigos para Bruno brincar.

"Estamos aqui, já chegamos, e este será nosso lar durante o futuro previsível. Está entendendo?" P. 21

Um certo dia, em uma exploração pelo lugar, Bruno descobre que há muitas pessoas morando do outro lado de uma cerca, a qual ele está proibido de ultrapassar. Não contente com as explicações, decide continuar procurando algo interessante.

"Usavam as mesmas roupas: um conjunto de pijama cinza listrado com um boné cinza listrado na cabeça." P. 40

Em uma dessas voltas, conhece Shmuel, um judeu de nove anos que nasceu no mesmo dia e mês que Bruno. Logo se tornam amigos e passam a se ver todos os dias, mas então tudo muda novamente.

"Ele juntou os pés e ergueu o braço direito no ar antes de bater um calcanhar no outro e dizer numa voz tão profunda e clara possível - tão parecida com a do pai quanto ele conseguia fazer - as palavras que dizia sempre que saia da presença de um soldado: Heil Hitler!" P. 53

O pai de Bruno anuncia que ele, sua irmã e sua mãe voltariam a Berlim. Decididos a se despedirem de uma maneira decente, Shmuel e Bruno armam um plano: o judeu forneceria uma muda do pijama e Bruno iria para o outro lado da cerca. O que era uma brincadeira se torna algo muito sério!

"Que belo patriota! gritou ela. As pessoas que você recebe nesta casa para jantar. Fico com nojo. E vê-lo nesse uniforme me dá vontade de arrancar os olhos da cara!" P. 86

Demorei demais para ler esse livro achando que ele era muito pesado, mas não. Bruno é muito ingênuo e acha que o "pasto" do vizinho é sempre mais verde. Então acabei me decepcionando um pouco, mas a história até que é boa.
A diagramação é simples. Páginas amarelas, letras pequenas e espaçamento bom não dificultam a leitura em nada. Odiei algumas traduções que fizerem e não eram necessárias, como, por exemplo, traduzir Führer para Fúria. Por todos esses motivos o livro levo somente três estrelinhas.
Já que o mês de novembro é o mês do desapego literário, decidi que doaria esse livro. Achei melhor doar para alguém que o quisesse do que esquecê-lo por aí. Vai que acontecesse algo e ele fosse parar no lixo não é mesmo?!?! Então acabei doando para o filho de uma colega minha de faculdade que o queria muito. Espero que ele goste da leitura! :D

2 comentários:

  1. Oi!
    Estou muito curiosa pra ler esse livro. Ele está na minha lista há muito tempo.
    Uma pena você ter se decepcionado com a leitura. Espero que não aconteça o mesmo comigo.
    Beijos
    Construindo Estante || Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Eliana. Apesar de ter me decepcionado eu adorei. Eu me decepcionei pelo fato de ser tão ingênuo sabe, mas ele é lindo de morrer! :D :D Obrigada pela visita.

      Bjoks da Gica.

      Excluir