5 de outubro de 2015

Capítulo da Semana #6 - Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas

Olá pessoal, como estão??? Espero que tod@s bem! O capítulo dessa semana foi escolhido por causa da minha leitura atual: Dragões de Éter: Corações de Neve. Claro que eu vou trazer para vocês o prólogo do primeiro livro. Vamos conferir então!

Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga.
Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas.
Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer...
Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real.
E mudará o mundo.


Prólogo

     Grandes poetas costumam chamar os países ou regiões de plaga. Por esse ponto de vista, podemos afirmar que Nova Ether é um mundo formado exatamente por plagas etéreas. E digo isso porque nesse típico mundo você não vai encontrar as coisas de maneira tão palpável quanto costuma. Tudo em Nova Ether parece concreto e maciço e pode ser tocado e sentido, mas pode ser modificado e incorporar o incrível a qualquer momento.
     Essa instabilidade seletiva, propícia ao fantástico, tem explicação. Acontece porque tudo que ali se manifesta é fruto da existência e das consequências de um mundo de semideuses. O caso é que não existe um deus, e nem mesmo existe deuses, em Nova Ether. Não que os verdadeiros deuses não existam, mas, na realidade, esses estão tão longe dos nova-etherianos, que estes preferem dedicar sua devoção a quem realmente pode ajudá-los:
     Os filhos dos deuses.
     A relação entre um devoto e um semideus é interessante. Deuses serem como sonhos é sabido universalmente. É necessário que devotos acreditem em sua existência para que permaneçam vivos. Devotos de semideuses praticam uma relação exatamente contrária; é necessário, sim, que os próprios semideuses acreditem na existência de seus devotos, e que não esqueçam, para que estes possam continuar existindo. Assim, para que exista toda essa terra propícia à mágica, é necessário um semideus Criador que crie os alicerces e a vida e todas as leis naturais. Entretanto, ele, sozinho, não teria competência suficiente para manter esse mundo de éter vivo eternamente, pois o esqueceria em determinados momentos, o que culminaria na morte prematura de sua criação. Por isso, é necessário que os outros semideuses se manifestem.
     Além de ajudarem o Criador a manter viva sua criação, existem também outros semideuses que influenciam diretamente os semideuses Criadores, e muitas vezes suas influências são encontradas facilmente em todos os cantos geográficos. Em Nova Ether não é diferente, e me arrisco ainda a dizer que não se trata do primeiro mundo de éter a ser criado por esse processo tão sublime quanto divino e, a princípio, tão complicado de ser entendido. Centenas de outros mundos etéreos também são assim gerados aos montes e, da mesma forma, só conseguem manter suas existências por esse mesmo procedimento sagrado que mantém viva essa terra.
     E, por saberem bem como sua vida só existe por bondade desses semideuses, seja o Criador ou dos outros semideuses, que os nova-etherianos os reverenciam. E, por suas atitudes, o semideus Criador, quando julga necessário, os ajuda ou os pune. Isso se manifesta em seus avatares - as representações físicas do próprio Criador na plaga etérea -, os quais são tomados por uma forma feminina de aura mágica, reconhecida e reverenciada pelo termo fada. A influência dessas avatares nessas terras é tamanha, que muitas histórias e poesias, muitos romances e contos populares foram gerados devido aos testes formulados por elas aos seres escolhidos. E esses contos narram a adoração das pessoas boas e o ódio das pessoas más por tais seres fantásticos, pois elas representam a justiça do Criador e são, por isso, reverenciadas por quem se identifica com o representam.
     Comparando com outros mundos etéreos, Nova Ether poderia ser taxada como um universo de fantasia. Não seria mentira. afinal, lá existem Reis com "R" maiúsculo, príncipes e princesas em busca da perfeição, lobos famintos, piratas com suas próprias leis, terras invisíveis a quem não tem sensibilidade necessária para enxergá-las ou que se movem sozinhas além-mar, como se dotadas de vida própria, além de dragões nascidos de elementais ou mesmo da própria quinta-essência.
     E existe a magia. E existem raças que não costumam existir em muitos outros mundos etéreos, como também existem seres comuns de certa forma, cada um à sua maneira. E para que as coisas não saiam dos eixos, ou para dar uma ajuda a seus campeões, a Lei das Fadas se estabelece sem estar escrita em pergaminho algum. Infelizmente, para os nova-etherianos, um dia até mesmo as fadas sucumbiram às tentações com as quais deveriam apenas testar os seres escolhidos, e a boa magia branca passou a dividir sua existência com a terrível magia negra.
     Foi a época em que caíram fadas. Em que nasceram bruxas. Em que destronaram Reis. Dragões geraram-se do éter e príncipes se tornaram sapos. Um época em que semideuses andaram na terra dos homens e abençoaram pessoalmente os heróis de muitos contos.
     E então s bruxas desafiaram as fadas. E os homens desafiaram as bruxas.
     Foi assim que nasceram as caçadas.

     E foi assim que nasceram os caçadores.

Gostaram??? Então adicionem o livro a sua estante no Skoob. Você também pode curtir a resenha que fiz aqui no blog sobre ele, é só clicar aqui!
E aí o que acharam do prólogo??? Já leram esse livro??? Tem indicação de algum livro bom para aparecer aqui??? Deixem seus comentários, vou adorar responder a tod@s.

Bjoks da Gica

2 comentários:

  1. Oiii Gi, tudo bem??? Confesso que achei esse prólogo meio enrolado kkkkkkk
    O livro todo não é nesse ritmo né? por que se for, vixe, eu iria abandonar kkkkkkk
    Gostei da história e explicação, mas achei muito bláblá :P
    Beijoooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gih. Tudo ótimo! :D

      O prólogo é meio enrolado, mas o livro é uma maravilha! É um daqueles livros que acho que todo mundo deveria ler, com toda certeza... Não posso garantir que você vai gostar, mas se poder dê uma chance a ele!
      Obrigada pela visita.

      Bjoks da Gica.

      Excluir